As empresas e a cobrança abusiva de juros

 

Nos últimos anos, foi possível perceber um elevado aumento na atividade das empresas de factoring, costumeiramente designadas como “financeiras”.
Esta atividade, salutar na sua origem, tem sido desvirtuada, provocando a ocorrência de situação reprovada pela lei, qual seja, a cobrança excessiva de juros abusivos, em empréstimos financeiros.

Com efeito, perante o ordenamento jurídico brasileiro, é perfeitamente válido o empréstimo de dinheiro entre particulares, mediante a cobrança de juros contratados. Todavia, desde 1933, vigora o Decreto n.º 22.626, também conhecido como “Lei de Usura”, que impede a cobrança de juros remuneratórios acima de 12% ao ano, sem capitalização, ou seja, sem a cobrança de juros sobre juros.
http://www.parana-online.com.br/canal/direito-e-justica/news/153480/?noticia=AS+EMPRESAS+DE+IFACTORINGI+E+A+COBRANCA+ABUSIVA+DE+JUROS

 

 

Bancos possuem margem de lucro para cortar taxas, diz Mantega

 

O ministro Guido Mantega (Fazenda) afirmou nesta quinta-feira que os bancos privados querem "jogar a conta [da redução dos juros] nas costas do governo" e que possuem margem de lucro suficiente para cortar as taxas sem que o governo tome medidas como redução de impostos e do compulsório (percentual que as instituições financeiras são obrigadas a recolher ao Banco Central, sem remuneração).
Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1074997-bancos-possuem-margem-de-lucro-para-cortar-taxas-diz-mantega.shtml

Folha.com
http://www.folha.com.br/



 

 

Compra de imóvel esconde taxa

 

Cobrada pelas corretoras na venda de imóveis novos, taxa de até R$ 2 mil é considerada ilegal por especialistas e órgãos de defesa do consumidor
maisdetalhes:
http://www.gazetadopovo.com.br/economia/conteudo.phtml?id=1215657

 

 

Cuidado com financiamentos automotivos

 

As taxas de juros reais de financiamentos automotivos são geralmente maiores do que as anunciadas pelos revendedores nas lojas. Como exemplo, há quinze dias atrás estive numa concessionária que dizia que a sua taxa de juros era de 1,75%. No entanto, ao fazer a simulação dos pagamentos das percelas, a taxa de juros real chegou a 2,9%. Além disso, eles ainda acrescentaram no cálculo a TAC – Taxa de Abertura de Crédito – que foi legalmente extinta há algum tempo. Abra o olho na hora de comprar o seu carro!
http://queroficarrico.com/blog

 

 

Está endividado? Veja 15 dicas para sair da inadimplência

 

O endividamento é um dos principais problemas que tiram o sono de muitos consumidores que desejam voltar a ter crédito no mercado. Só nos quatro primeiros meses de 2012, a inadimplência no Brasil cresceu 19,6% em relação ao mesmo período do ano passado, segundo pesquisa do Serasa Experian.

Muitos consumidores não sabem como perderam o controle de suas dívidas e, muito menos, como retomar a sua saúde financeira. Para ajudar esses consumidores, o livro Livre-se das Dívidas, do educador financeiro, Reinaldo Rodrigues, da editora DSOP, mostra como resolver o problema da inadimplência.

Confira as 15 dicas que podem te ajudar sair da inadimplência

1. Antes de sair negociando é preciso ter pleno domínio do seu dinheiro, fazer um diagnóstico financeiro, registrando o que se ganha, o que se gasta, conhecer seu verdadeiro eu financeiro

2. Faça um apontamento de despesas diárias por tipo de despesas pelos próximos 30 dias é o caminho para que fique tudo mais claro, somente assim poderá cortar gastos e reduzir excessos.

3. Muitas vezes é importante dizer “devo, não nego, pago, como e quando puder” nunca se deve procurar um credor (pessoa para quem você deve) antes de ter domínio completo de seu dinheiro.

4. É preciso ter muita calma quando se está inadimplente, estar endividado nem sempre é um problema, o problema é quando não se consegue pagar este compromisso.

5. A portabilidade é uma das ferramentas para reduzir o endividamento, procure por linhas de créditos mais baixa, mas é importante frisar que isso não resolve a causa do problema.

6. No planejamento para pagar as dívidas priorize as que têm os juros mais altos, geralmente as de cartão de crédito e cheque especial.

7. Na hora de negociar, se for parcelar as dívidas, tenha certeza que as mesmas cabem em seu orçamento.

8. Saiba que para pagas às dívidas atrasadas terá que repensar seu padrão de vida, pois, se já se endividou com o que ganha, isso reduzirá nos próximos meses com as parcelas.

9. Não existe uma porcentagem exata de quanto terá que direcionar para pagar as dívidas, isso dependerá do diagnóstico financeiro feito previamente.

10. Estabeleça uma estratégia para sair do endividamento, conhecendo detalhadamente os credores, valores, taxas de juros.

11. Dois fatores levam ao endividamento são eles: o crédito fácil, conjugado com a competente propaganda, por isso cuidado para não comprar o que não sonhava, com o dinheiro que você não tem, para impressionar, muitas vezes, até mesmo quem você não conhece.

12. As facilidades de créditos, como limite de cheque especial, cartão de crédito, crediários tem sido verdadeiros vilões nesta cirando do endividamento e inadimplência.

13. Não “emprestar” seu nome para que parentes e amigos façam dívidas. Se eles não podem usar o próprio nome é porque provavelmente já estão com problemas de endividamento.

14. Procure guardar dinheiro para comprar a vista e com algum desconto, o sonho da independência financeira passa por respeito ao dinheiro, entender que dinheiro é meio e não fim.

15. Quem compra a prazo, paga juros, quem paga juros paga mais caro e tem dividas, quem tem dívidas realiza menos sonhos.
Fonte:http://dinheiro.br.msn.com/suascontas/est%C3%A1-endividado-veja-15-dicas-para-sair-da-inadimpl%C3%AAncia?page=0

 

 

Ipea indica que há espaço para redução de juros sem elevar inflação

 

De janeiro até abril a taxa básica de juros foi reduzida de 10,5% ao ano para 9%

Fonte: http://oestadodoparana.pron.com.br/economia/

 

 

Juros Abusivos?

 

Mas, afinal, o que são juros abusivos?

Não há um conceito único e indiscutível. Pelo que se extrai da jurisprudência do STJ, juros abusivos são os que colocam o consumidor em desvantagem exagerada. E desvantagem exagerada, segundo o Código de Defesa do Consumidor, ocorre quando o contrato é excessivamente oneroso.
Você conhece algum que não seja?

 

 

Lei é Lei e deve ser cumprida

 

O que diz a Lei!!! LEI DA USURA - JUROS CONTRATUAIS DECRETO 22.626, DE 7 DE ABRIL DE 1933 Art. 4.º É proibido contar juros dos juros; esta proibição não compreende a acumulação de juros vencidos aos saldos líquidos em conta corrente de ano a ano. Súm. STF-121. É vedada a capitalização de juros, ainda que expressamente convencionada. Rio de Janeiro, 7 de Abril de 1933; 112º da Independência e 45º da República- Assina GETÚLIO VARGAS

 

 

Mais brasileiros não conseguem pagar prestações de carros em 2011

 

A taxa de inadimplência de financiamento de veículos passou de 2,5% para 5% de 2010 para 2011. É o maior índice em oito anos.

 

 

Quando os juros são abusivos?

 

Não há um valor exato, mas a Justiça tem entendido como abusivas as taxas que destoam da média cobrada pelo mercado

Fonte: http://www.gazetadopovo.com.br/economia/conteudo.phtml?id=1246946&ch=

 

 

Queda dos juros ainda não refletiu no crédito para carros.

 

A queda dos juros bancários para o financiamento de carros não trouxe nenhum reflexo às vendas do setor , pelo menos até o final de abril, de acordo com comunicado da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), tanto que as vendas de automóveis caíram 13,82% no mês passado, em relação a março, e 12,27% comparado a abril de 2011. A queda de juros também não refletiu em uma maior flexibilidade na concessão de crédito bancário para o financiamento de veículos.
De janeiro a abril houve retração de 3,4% nas vendas e os pátios das montadoras e das revendas contavam 366,5 mil carros no último dia de abril. Reflexo da rigidez bancária na concessão de crédito, o que deprime o nível de compras, segundo a Anfavea. Principalmente quando se considera que aproximadamente 60% das vendas de automóveis são realizadas mediante financiamento, acrescenta o comunicado.
Parte da redução de crédito pode ser atribuída ao aumento da inadimplência, o que deixa os bancos mais cautelosos, segundo o presidente da Serasa Experian, Ricardo Loureiro. Ele diz que muita gente se empolgou com a oferta recente de crédito e perdeu o controle dos gastos e grande quantidade de consumidores já atingiu o limite.
Pelos seus cálculos, os brasileiros apresentam hoje um comprometimento de renda de 22% – bem acima, por exemplo, dos 16% dos americanos, o que significa que o crédito está mais barato, mas quem gastou mais do que devia não pode agora se beneficiar. Estatística da Serasa revela que 90 milhões de brasileiros foram consultados, em 2011, para a realização de 350 milhões de negócios e 22,4 milhões de pessoas entraram na base de inadimplentes.
Fonte: http://www.parana-online.com.br/editoria/economia/news/610276/?noticia=QUEDA+DOS+JUROS+AINDA+NAO+REFLETIU+NO+CREDITO+PARA+CARROS

 

 

Segurança ZERO

 

Falsários se passavam por oficiais de justiça para dar golpe
Pelo menos quatro vítimas de um golpe arquitetado por um falso oficial de Justiça procuraram a polícia depois que Sérgio Demiciano, 40 anos, e o comparsa e motorista dele, Gilson Cordeiro, 26, foram presos, na semana passada, em Bocaiuva do Sul. A dupla cumpria falsos mandados de busca e apreensão ...
www.parana-online.com.br

 

 

Só intimar o BB e a Caixa a reduzir juros não basta

 

Estratégia dos bancos públicos representa um começo louvável; Planalto, contudo, tem de pôr em prática toda uma agenda para reduzir o spread bancário

Fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/economia/so-intimar-o-bb-e-a-caixa-a-reduzir-juros-nao-basta

 

 

TJ decide: banco não pode usar salário para cobrir vermelho da conta

 

O Tribunal de Justiça do Paraná decidiu que os bancos não podem usar o salário do correntista para cobrir o saldo devedor da conta. "Se nem mesmo ao Judiciário é lícito penhorar salários, não será instituição privada autorizada a fazê-lo", diz o acórdão da 15.ª Câmara Cível.

A decisão foi dada contra o banco Santander, confirmando uma sentença de primeira instância proferida em Ponta Grossa. Se o banco usar o salário do correntista, terá de pagar multa diária de R$ 500.

A decisão do TJ diz que mesmo que o cliente tenha assinado um contrato permitindo o desconto em caso de dívida, o banco, mesmo assim, não tem o direito de fazê-lo. A única possibilidade seria entrar na Justiça para obter o crédito.

http://www.gazetadopovo.com.br/blog/caixazero/?id=1153483&tit=tj-decide:-banco-nao-pode-usar-salario-para-cobrir-vermelho-da-conta